Logo SatellaSoft



Indie Game – CapySquad

Jogo sendo desenvolvido na Unreal Engine 4, na qual o player pode escolher uma Capivara para os combates e personaliza-la.


Ícone homem Gunnar Correa
Ícone data de publicação 05/06/2016
Ícone quantidade de visualização 1,854
Ícone bandeira do Brasil Português

Que a Unreal Engine 4 é conhecida por ser a Engine mais utilizada para o desenvolvimento de games todos nós já sabemos, e neste artigo você confere uma breve entrevista com Thiago Antunes, produtor de um Indie Game que esta prudizindo seu game totalmente na Unreal 4.

O jogo CapySquad permite que o jogador personalize sua própria capivara para um combate com uma facção criminosa entre animais, o mais divertido é que o game não possui violência, possui ótimos gráficos e um ambiente totalmente inovador.

Confira a entrevista completa abaixo.

 

Nome do jogo: CapySquad

Site: Não disponível.

Integrantes: Thiago Antunes

Página no Facebook: https://www.facebook.com/Capy-Squad-229067537471819

 

SatellaSoft: Fale um pouco sobre o tema do jogo e sua ambientação?

Thiago Antunes: O tema é bastante descontraído e até de certa forma psicodélico. Com cores vivas e muitos animais batalhando, o jogo conta com uma atmosfera isenta de violência mas ao mesmo tempo divertida e diferente de grande parte dos jogos atuais. O jogo fala sobre duas facções de animais humanoides que batalham entre si para decidir o destino das capivaras, que são animais comuns porém especiais. Cada jogador tem direito a ter sua própria capivara de batalha que é totalmente customizável.

 

SatellaSoft: Como surgiu a ideia de desenvolver o game?

Thiago Antunes: Sempre sonhei com o fato de um jogo de combate totalmente diversificado, que pudesse englobar tudo com um visual chamativo e cômico. Decidi então dar início ao projeto que não planejo deixar tão cedo.

 

SatellaSoft: A quanto tempo você atua no desenvolvimento de games?

Thiago Antunes: Cerca de 4 anos desde o início.

 

SatellaSoft: Você acredita que o Brasil possa ser uma das maiores potências do ramo de jogos?

Thiago Antunes: O Brasil já é uma das maiores potências em questão de jogadores e facilmente pode ser uma das maiores na questão de desenvolvimento indie, já que a comunidade é tão abrangente.

 

SatellaSoft:  Qual Engine está sendo utilizada para o desenvolvimento do game e porque optou em usa-la?

Thiago Antunes: A Unreal Engine 4 é a engine mais user-friendly que eu conheço. Toda a facilidade na hora de criar, porém complexidade quando se emprega um código avançado misturado com o visual cativante dos shaders foram as principais razões para optar por ela.

 

SatellaSoft: Quais foram ou são as grandes dificuldades?

Thiago Antunes: Quando se faz o game com vontade, é difícil encontrar muitas dificuldades em seu desenvolvimento. A maior dificuldade no processo completo do desenvolvimento de um jogo é a divulgação. É preciso se preparar para saber qual público o jogo irá atingir e o que o jogo precisa para chamar a atenção do público, tudo isso com a medida certa de divulgação.


Para qual plataforma deseja distribuir o game?

Thiago Antunes: PC, não é o estilo de jogo que rodaria no mobile e não temos muitos exemplares de consoles para se testar a build do jogo D:

 

SatellaSoft: Fale sobre sua formação do ramo de games e de seus integrantes.

Thiago Antunes: Ainda não saí do ensino médio, mas com quase certeza irei me formar em alguma área do ramo. Programar e modelar é simplesmente libertar sua imaginação através da forma mais interativa possível. Considero quem desenvolve jogos como artistas.
 

SatellaSoft: Sinta-se à vontade para deixar quaisquer observações e comentários extras.

Thiago Antunes: Irei dar qualquer apoio a pessoas que me procurarem que estão entrando no ramo pois só entrei nessa onda de desenvolvimento porque fui muito apoiado também. O mais importante é nunca guardar o conhecimento apenas para si, mas sim passá-lo adiante para que o Brasil possa crescer cada vez mais no ramo.

 

SatellaSoft: Qual conselho você gostaria de dar aos iniciantes em desenvolvimento?

Thiago Antunes: Há várias coisas a serem mencionadas, mas um dos principais motivos de muitos jogos fracassarem no início é a dependência de equipes. Cuidado ao formar equipes e saiba com quem você trabalha. É muito desgastante ver que o projeto não vai para a frente por causa de um ou mais membros de sua equipe. Deixe a divisão de lucros por último e foque em produzir o básico para dar feedback concreto para as pessoas que acompanham seu projeto. Nada se consegue do nada, tudo exige trabalho e muitas vezes árduo.



No vídeo abaixo é possível visualizar o editor de capivaras.

 
 

Extração de uma Capivara:

 

Capivaras dos jogos descansando

Capivaras em sua hora de lazer em um bar.

Capivaras controlando uma nave

 




Sobre o autor


Gunnar Correa

Nome: Gunnar Correa

Site: http://www.gunnarcorrea.com


Autodidata, graduado em Desenvolvimento Web e especialista em Tecnologias na Educação em uma universidade no interior de São Paulo. Comecei meus estudos na área de programação quando ainda era criança, e atualmente estou estudando desenvolvimento de jogos.

Sou o CEO do portal SatellaSoft, criado em 2009 com o intuito de compartilhar conhecimento de forma gratuita e inédita.


Comentários



É necessário estar autenticado para comentar, clique aqui para se registrar ou aqui para acessar a sua conta!